Obras de requalificação do Jardim Botânico de Lisboa a bom ritmo

Quatro meses após o encerramento do Jardim Botânico de Lisboa para a realização das obras, no âmbito do projeto vencedor do Orçamento Participativo da Câmara Municipal de Lisboa (CML), é já possível observar a concretização de algumas das propostas para a requalificação deste património nacional.

Há mais de três meses que os trabalhos se iniciaram no Jardim Botânico de Lisboa com o objetivo de requalificar o espaço, trazendo melhorias significativas em termos de sustentabilidade dos recursos, segurança dos visitantes, novos espaços culturais e lúdicos.

As máquinas entraram acompanhadas por uma equipa de especialistas que garantem que este património histórico, científico e natural da cidade mantém a integridade, nomeadamente, uma arqueóloga da CML que reporta à Direção Geral do Património Cultural (DGPC), uma engenheira da CML e um botânico do Jardim que tem acompanhado diariamente todas as intervenções e feito a ponte com a Câmara Municipal de Lisboa e os funcionários da empresa de construção civil.

Os progressos são já visíveis ao nível das infraestruturas subterrâneas, que estão quase terminadas. Ao longo da Rua das Palmeiras foi feita toda a instalação de cablagens elétricas e de Internet. Com a instalação da cablagem elétrica vai ser possível iluminar algumas partes do Jardim em ocasiões especiais, como quando da realização de eventos noturnos, com impacto positivo na segurança, mas também permitir instalar electroválvulas controladas remotamente, de forma a assegurar rega automática e a alterar os horários da rega de acordo com as necessidades.

Manuel João Pinto, o botânico do MUHNAC que acompanha a obra, realça que a empresa de construção civil tem colaborado na adoção de estratégias relevantes para a rápida estabilização dos sedimentos, aquando da abertura de valas para a construção de infraestruturas subterrâneas: «a empresa abre a vala, introduz todas as tubagens e volta a tapar imediatamente para evitar o transporte de sedimentos finos (argilas) devido à chuva».

Por outro lado, ainda nesta Rua, as margens têm sido sempre lavadas no imediato para que os depósitos não interfiram com a vegetação, a qual é exclusivamente manuseada e meticulosamente salvaguardada pelos jardineiros do Jardim Botânico e por Manuel João Pinto. Também os caminhos de água foram todos sujeitos a limpeza, na sua grande maioria pelos jardineiros.

Finalizada está já a vala na Rua do edifício inferior do Observatório Astronómico, a mais complexa porque incluiu mais material, nomeadamente, cablagem para eletricidade e internet, mas também tubagem para água potável para as casas de banho.

Ainda do ponto de vista da sustentabilidade, estão a ser tomadas importantes medidas ao destapar as “bocas” dos piezómetros, as quais tinham sido tapadas em obras anteriores. Isto é relevante dado esta tecnologia permitir a medição do nível da água, de forma a monitorizar o aquífero.

Em andamento estão também as obras de impermeabilização do lago, a construção do anfiteatro ao ar livre e a pavimentação dos caminhos. Dado como terminado está o empedramento da escadaria com calçada portuguesa na zona do cipreste-dos-pântanos.

Está assim já gravada no terreno a promessa de um Jardim Botânico requalificado de acordo com projeto aprovado, ainda mais belo e para ser redescoberto em breve!