Amor Ardente

Da artista Valeria Paniccia

Quando: 
10 de Maio de 2018 a 10 de Junho de 2018
Onde: 

Museu Nacional de História Natural e da Ciência

O Museu Nacional de História Natural e da Ciência, ao apresentar exposições de arte contemporânea nos seus espaços que naturalmente seriam para exposições de ciência, está a promover a partilha de conhecimento necessário ao tempo contemporâneo e contribuir para a convivência das várias sensibilidades culturais, tendo como finalidade angariar novos visitantes e cruzar públicos.

Com este propósito realizámos a exposição Amor Ardente da artista plástica Valéria Paniccia. Não se trata de uma mera exposição de fotografia, mas sim imagens digitalizadas em lençóis de algodão e linho, onde a sua narrativa nos vai contando uma história de vivências passadas perpetuadas nas esculturas dos túmulos e continuadas nas fotografias. A escolha consciente do suporte, o lençol, tem a carga simbólica como referencial ao sudário enquanto dialética constante entre o passado, presente e o futuro.

A artista é autónoma mas prisioneira do registo imaginário e pragmático da sua obra, desafiado pela sua observação metódica. O registo fotográfico desta pesquisa é o resultado de anos de viagens, visitas, estudos, entrevistas e referências aos autores clássicos com a leitura compulsiva dos seus textos. Esta investigação e pesquisa começaram em 2000 com a visita a cemitérios monumentais por todo o mundo. É esta apropriação metodológica, este experimentalismo na abordagem do processo de criação artística que se relaciona com o experimentalismo da ciência.

O ponto de interseção é a própria criação e construção do trabalho artístico de Valeria Paniccia com a procura das zonas limite como instrumento estético. A inocência e lisura das fotografias apresentadas remetem-nos para a antiguidade clássica, onde o prolongamento do silêncio do cemitério está presente nestas salas austeras, outrora um convento, e que ainda acolhe o túmulo de Fernão Telles de Menezes, doador do terreno aos jesuítas para a construção do Noviciado da Cotovia.

Quando a arte contemporânea invade o Museu Nacional de História Natural e da Ciência e surpreende os seus visitantes, fazendo-os questionarem-se sobre a pertinência da exposição, é porque essa experiência não foi em vão.

 

Sofia Marçal
Curadora

Exposição de Arte e Ciência