Passar para o conteúdo principal
Exposição de Arte e Ciência

Data

16 Março - 5 Maio 2024

Local

Sala 060 | Museu

Exposição de escultura cerâmica de Maya Fernandes Kompe

Exposição de escultura cerâmica que representar sementes de plantas na sua maioria autóctones da região Baixo Alentejo e Alentejo litoral. As sementes são recolhidas pela artista no território, tanto em plena natureza como em bancos de sementes e viveiros. Como artista residente na CULTIVAMOS CULTURA, utiliza os microscópios e instalações técnicas para obter imagens das sementes e selecionar aquelas que quero criar em escultura cerâmica.

Curadoria: Sofia Marçal

Inauguração: 15 de março, 18h00 às 20h00

 

CONVITE

 

*****

No Princípio era a semente

Maya Fernandes Kempe, artista alemã que vive em Portugal, onde trabalha como escultora de cerâmica. O seu interesse e fascínio por sementes de plantas leva-a à descoberta das coleções naturalistas do museu.

A exposição Sementes vem ao encontro do Programa Arte Natureza e Ciência, no qual se privilegia a ligação do trabalho dos artistas com a temática do museu. A exposição é composta por esculturas de cerâmicas que representam sementes de plantas sendo a sua maioria autóctones da região do Baixo Alentejo e Alentejo litoral. As sementes são recolhidas pela artista no terreno e também adquiridas em bancos de sementes e viveiros para servirem de inspiração ao seu trabalho.

A exposição Sementes, resultado de um longo trabalho de pesquisa realizado pela artista, onde caminhar, observar, fotografar, recolher, ampliar, são práticas integrantes da sua metodologia de trabalho.  Maya Fernandes devolve uma prática intimista e poética na medida em que joga com a intuição e com a criatividade no seu modus operandi na interpretação artística das sementes, no seu fazer, nas suas dúvidas e desencantos, tal como Marguerite Duras, “muitas vezes tive esse sentimento de confrontação entre o que já estava ali e o que iria ser em lugar daquilo. Eu no meio, arranco, transporto a massa que estava ali. Dobro-a, é quase uma questão muscular.  De destreza. É preciso ser mais rápido que essa parte em nós que não escreve, que está sempre nas alturas do pensamento, sempre ameaçando desmaiar, dissolver-se nos limbos do relato vindouro.”[1] A dualidade da criação artística.

As cores utilizadas nestas pequenas esculturas são as das plantas que representam as sementes e citando a artista, “o objetivo não é a representação 100% naturalista, mas antes a tentativa de transpor o momento de admiração e deslumbramento sentido cada vez que o microscópio transforma uma semente minúscula e imperceptível, numa imagem de curiosa beleza abstrata, com as mais delicadas e surpreendentes formas.” É no distanciamento por parte da artista da realidade aumentada que nascem as suas esculturas de cerâmica.

Segundo Maya Fernandes as primeiras peças cerâmicas que criou foram baseadas nas imagens microscópicas do artista Rob Kesseler, algumas aqui apresentadas. “Ao longo do meu trabalho, imagens, objetos e temas reaparecem em diferentes formatos: folhas, livros, sapatos, pratos, cadeiras, flores, mesas, muitas vezes refletindo e brincando com a representação da natureza e a natureza da representação, a natural, o artificial, a imitação, o modificado e o apropriado. Crescer em Solihull, espremido entre o coração industrial de Birmingham e as ruas arborizadas de Warwickshire, em Shakespeare, forneceu ampla matéria-prima para minha obsessão por coisas de todos os tipos. Trabalhar no espaço liminar entre as belas-artes, o design, o artesanato e a ciência, como indivíduo, colaborador e professor, apresenta oportunidades e possibilidades inesperadas para a reflexão imparcial de um estranho informado.”[2]

Na hotte estão colocados tubos de sementes de espécies da flora portuguesa pertencentes à coleção didática do Banco de Sementes A.L. Belo Correia, MUHNAC-ULISBOA[3]  e um frasco com sementes do Jardim Botânico de Lisboa, MUHNAC-ULISBOA[4], em oposição às plantas vivas que se encontram na sala. A exposição é complementada por um vídeo sobre o processo artístico de Maya Fernandes, a recolha das sementes no território, a sua observação microscópica, a criação das esculturas e a respetiva pesquisa.

Na bancada está colocada uma caixa de luz com uma lupa que contem sementes para se poderem observar, assim como o livro com a informação científica das plantas.

As várias técnicas empregues pela artista, assim como o cruzamento do conhecimento artístico e científico enriquecem a exposição e a partilha da experiência de Maya Fernandes é para ser usufruída por todos enquanto visitantes do museu. “Todavia o que um homem sente como potencialmente seu inclui tudo aquilo de que a humanidade, como um todo, é capaz. A arte é o meio indispensável para essa união do individuo com o todo; reflete a infinita capacidade para a associação, para compartilhar experiências e ideias.”[5]

Este projeto expositivo teve uma primeira apresentação no “Fem-Meeting: International conference of women in art and science” organizado por Marta de Menezes e Dalila Honorato da Cultivamos Cultura, em setembro de 2022.

Sofia Marçal

 

[1] Marguerite Duras, in: A vida Material, p.27, 28.

[2] Rob Kesseler, in: UPCLOSE, p.12.

[3] O Banco de Sementes A.L. Belo Correia integra uma coleção de sementes da flora portuguesa para a conservação a longo prazo, de forma a possibilitar o eventual repovoamento ou a recuperação ecológica das populações na sua área de distribuição.

[4] O Jardim Botânico de Lisboa, inaugurado em 1873 e classificado como monumento nacional, integra coleções científicas que servem a investigação botânica e a educação sobre a relevância da diversidade de plantas e processos ecológicos associados, ao mesmo tempo que garantem a conservação efetiva de espécies ameaçadas de extinção a nível global.

[5] Ernst Fischer, in: A necessidade da arte. p.11.