Programa Arte, Natureza e Ciência

PROGRAMA ARTE, NATUREZA E CIÊNCIA 
 

HIPERDERME

Exposição do artista plástico Francisco Trêpa

A exposição é um projeto que se debruça sobre os conceitos de animal, exotismo, categorização, captura e exibição; através de obras de escultura e instalação que informam e esclarecem questões relacionadas com a exibição de animais vivos em contexto expositivo.

Data: 7 a 30 outubro
Inauguração: 6 outubro, 17h00 às 20h00

Local: Museu - Laboratório de Química Analítica
Preço: incluído no bilhete do Museu

Mais informações sobre a exposição aqui

 

(2)000 & UIVO: spring-field 2.7e-1

Exposição do artista plástico André Sier

Na era neon-paleolítica, os detritos humanos transformam-se num luxo jogável, onde coisas bio-electrónicas surtem na paisagem primaveril, um quase osso infraestrutural na forma de uma arca radiada a verde, onde a fauna e a flora e os componentes eletrónicos que sobraram, emergem, submergem, e vão treinando e aprendendo, através de videojogos mitológicos, uma realidade zero, e aproveitam para vender uns passinhos pelo espaço. A exposição reúne igualmente uma seleção dos trabalhos lupinos de Uivo, uma exposição de artes eletrónicas, com esculturas, desenhos, fotos, momentos estáticos fixados em suportes do fluxe da vida da série wolfanddotcom.

 

Data: 7 outubro a 6 novembro
Inauguração: 6 outubro, das 17h00 às 20h00

Local: Museu | Sala Azul
Preço: incluído no bilhete do Museu

Mais informações sobre a exposição aqui

 

0/1) O ZERO E O UM

Exposição dos artistas plásticos Susana Rocha, Teresa Murta, Arturo Comas, João Motta Guedes, Jon Gorospe e Martim Brion

A proposta - sobre as várias disciplinas dos artistas, aborda a capacidade humana de transverter o conhecimento adquirido através do estudo e reflexão sobre a vida animal, registo histórico e a conquista da ciência, como canal impulsionador perante o conhecimento e a experimentação, denominadores comuns da sociedade – objetos, situações, cenários e diálogos.

Propomos nesta exposição, a reflexão sobre o percurso humano como percurso inacabado, pois apenas se conclui quando o pensamento se materializa. A História não termina enquanto a imaginação estiver à frente da matéria. A razão começa pela operação de somar, enquanto na imaginação o somatório já está feito: há apenas um número, completo, total e este pode começar a dividir-se, a separar-se... quando esta operação parte da imaginação, é uma operação individual e tendencialmente irrepetível.

A exposição O ZERO E O UM (0/1), reflete sobre a imaginação e os conceitos de oposição, a arbitrariedade da interpretação e sobre a qual, a imaginação se foca através da representação da realidade ou dos objetos e não da coisa em si. A variedade de enunciados, reproduzindo metáforas multiplicando as possibilidades de verdade – uma espécie de ciência momentânea.

O tema da exposição baseia-se numa parte do livro "Atlas do corpo e da imaginação" de Gonçalo M. Tavares.

O livro cruza literatura, pensamento e artes, passando pela imagem e temas como identidade, tecnologia, laços de morte e amor; cidade, racionalidade e loucura, comida e desejo, etc. Centenas de fragmentos que definem um itinerário no meio da confusão do mundo.

 

Data: 4 novembro a 8 janeiro
Inauguração: 3 novembro, das 18h00 às 20h00

Local: Vários espaços Museu | Laboratório de Química Analítica, Átrio, Anfiteatro e Claustro
Preço: incluído no bilhete do Museu

Mais informações sobre a exposição aqui.

 

SYMBIOSIS

Exposição da artista plástica Sofia Arez

Os líquenes, no seu crescimento muito lento e silencioso, têm muito para nos dizer. Segundo Anne Pringle, uma das principais micologistas contemporâneas, pode ser que os líquenes não envelheçam se lhes forem dados os nutrientes suficientes. Talvez algumas formas de vida sejam eternas. O pensamento de dois seres que se juntam e se alteram mutuamente em colaboração – dois seres que se tornam um só que se regenera infinitamente – leva-nos a considerar o líquen uma espécie de modelo e metáfora para os meandros da intimidade. Estes organismos, que têm origem numa simbiose entre um fungo e uma alga ou cianobactéria, desempenham um papel preponderante na colonização e estabilização dos solos, facilitando o crescimento de outras plantas. São, também, considerados entre os melhores bioindicadores das alterações ambientais, quer devido a perturbações naturais ou provocadas pelo homem, e mostram uma sensibilidade diferencial em relação a uma vasta gama de poluentes. Os líquenes ocupam oito por cento da superfície do planeta, uma área maior do que a coberta por florestas tropicais.

 

Data: 11 novembro a 13 dezembro
Inauguração: 10 novembro, 17h00 às 20h00

Local: Museu | Sala Azul
Preço: incluído no bilhete do Museu

Mais informações sobre a exposição aqui.

 

SOPRO

Exposição da artista plástica Pocas Pascoal

O conceito desta instalação refere-se ao paradigma das alterações climáticas onde o aquecimento global e a seca prolongada, têm contribuído para um profundo desiquilíbrio ambiental e da biodiversidade local e global.

Data: 16 dezembro a 22 janeiro 2023
Inauguração: 15 dezembro, 17h00 às 20h00

Local: Museu | Sala Azul
Preço: incluído no bilhete do Museu

Mais informações sobre a exposição brevemente disponíveis.

 

Exposições com curadoria de Sofia Marçal.