Tectonic experiences- experiences of the tectonics

Exposição de Gustavo Mendez-Liska

Quando: 
17 de Janeiro de 2020 a 1 de Março de 2020
Onde: 

Laboratório de Química Analítica

Experiências tectônicas e relações espaciais nas obras de Gustavo Mendez-Liska


 Ao longo dos anos de sua prática artística, Gustavo Mendez-Liska reduziu gradual e deliberadamente os seus meios de expressão a formas geométricas básicas, através das quais transmite o seu fascínio pelas experiências tectônicas - com suas estruturas variadas, suas  interações e tensões.

 A diáspora faz parte da história do artista e, sem dúvida, teve um grande impacto na sua procura pelas formas geométricas como expressão de uma linguagem universal. Ele tem consciência de sua particularidade nestes contextos culturais e emocionais tão diversos, concentra a sua atenção nas lacunas e nichos, nas coisas que não são ditas, na pausa ou na respiração entre as composições. Tais experiências estruturais são em geral comuns a todos.

 À primeira vista, suas composições sobre papel lembram os esboços arquitectónicos. A arquitetura da cidade, as suas relações espaciais na matéria e a sua falta, o jogo de luz e sombra entre elas foram, de fato, um ponto de partida crucial de Mendez-Liska para a tectónica da experiência (espacial). No entanto, ao olhar para a sua última série, bem como para a obra do artista como um todo, não se pode ignorar as recorrências de formas e estruturas, que podem ser encontradas nas partituras musicais ou também na poesia visual. Tal leitura abre níveis adicionais de experiência em diferentes planos que, embora sendo exclusivamente visual, definitivamente o ultrapassam.

 Além disso, os seus desenhos são frequentemente uma das etapas para o desenvolvimento das suas obras de arte escultórica, para a qual ele prefere usar materiais naturais, prevalentemente madeira e pigmentos naturais. A estrutura natural da madeira com todas as suas imperfeições e tramas torna-se um padrão, uma qualidade estética, que se refere simultaneamente à história da região de onde o material veio. Os pigmentos que utiliza para as suas pinturas, bem como para os objetos que cria, têm uma certa referência ao meio austríaco. O amarelecimento do branco do carpinteiro que utiliza nas suas séries "Wiener Schmankerln" e "Windows" (Janelas/ Ventanas) é tal que oscila entre a homenagem e uma certa piada interior do artista, que também se tornou carpinteiro formado.


 Texto: Miroslava Urbanova, Viena 2018
 
 
Gustavo Mendez-Liska é um artista venezuelano, que vive e trabalha desde 1991 em Viena. Desenvolve sua prática artística dentro da linhagem da arte concreta e neo concreta, que tem suas raízes na América do Sul, particularmente no Brasil, onde apresentou seus trabalhos em 2009. Mendez-Liska é um dos artistas, que traz para a Europa o patrimônio da arte concreta e neoconcreta. Trabalha predominantemente com madeira e resíduos, fascinado pela sua estrutura e pela poética da sua linguagem visual.

 

Curadoria: Sofia Marçal

 

Exposição de Arte e Ciência